AGENDAR EXAMES (31) 3801-3600

Ico news page

Novidades

Bg no img novidade

Dores crônicas são mais comuns do que pensamos

Estudo recente da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED) aponta que, atualmente, 37% dos brasileiros são acometidos por algum tipo de dor crônica, ou seja, a cada dez pessoas, quase quatro convivem com o problema. A maioria são mulheres, na faixa dos 41 anos e que sentem dores tão intensas capazes de atrapalhar atividades do dia a dia. Entre as principais dores crônicas, estão a dor de cabeça, dores na lombar, dores cervicais (no pescoço) e por patologia (câncer).


Este tipo de enfermidade é diagnosticado pelo tempo de permanência da dor, que ao persistir por três meses seguidos, passa a ser considerada dor crônica. A dor aguda sinaliza que algo está errado, disparando o sinal de alerta. Já a dor crônica deixa de ser um sinal e passa a ser a própria doença, que com o passar dos dias vai levando a um desdobramento por estresse, ansiedade e depressão, agravando o quadro. Neste ponto, esse ciclo vicioso precisa ser interrompido.
A pesquisa mostra que a faixa etária média de ocorrência da dor é 41 anos. Em relação ao sexo, as mulheres são maioria entre os relatos de dores crônicas na maior parte das regiões. Apenas na Região Nordeste este quadro se inverte: os homens representam 52% e as mulheres 42%. A intensidade da dor relatada foi maior de 6 (em uma escala 1 a 10) em todas as regiões do país. Esse nível é considerado moderado e suficiente para interferir nas atividades diárias.


O estudo contou com 919 pessoas entrevistadas, de todas as regiões do país, respeitando a densidade demográfica e a heterogeneidade da população, apontadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além da SBED, estiveram envolvidos no trabalho as instituições Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina, Aliviar Medicina da Dor e Centro de Ensino e Treinamento Integrado de Medicina do ABC Paulista.


Prevenção


O uso de celulares e tablets também pode contribuir para o aumento de dores crônicas. Os maus hábitos posturais que a tecnologia trouxe para a população agravaram a situação. Práticas saudáveis, como boa alimentação e atividade física regular são medidas de prevenção.

Compartilhe